Smart Goals: Definindo metas inteligentes

 “Metade do dinheiro que gasto em propaganda é desperdiçado, o problema é que eu não sei qual metade”. John Wanamaker

Quando lemos a clássica frase do empresário americano John Wanamaker (uma das primeiras lojas de departamento do mundo, a John Wanamaker & Co.), sempre lembramos que sombra que atormenta o mercado: a nuvem obscura do retorno de investimento sobre os investimentos publicitários. 

Do outro lado do mundo, o matemático e físico britânico (Lord Kelvin) inventava o zero absoluto em escala termométrica, permitindo uma maior simplicidade ao analisar a relação das expressões matemática com as grandezas termodinâmicas, demonstrando que para medir o sucesso ou o fracesso de algo, era preciso mensurar.

 “O que não se pode mensurar não pode ser melhorado”. William Thompson

Assim como resoluções de ano novo ou sonhos que não saem do papel por serem bem generalistas acabam por desestimular o seu alcance. Por isso, a definição de uma meta/objetivo precisa ser lapidada para que possa ser analisada, mensurada e por fim, validada.

Então como definir metas inteligentes? Para facilitar o trabalho de definição de metas, antes precisamos passá-las pelo checklist SMART, uma série de 5 etapas que servem para validar uma meta.

1. SPECIFIC (ESPECÍFICA)

Defina claramente as expectativas de sucesso

Exatamente o que você deseja alcançar em seu negócio ou vida pessoal? Uma boa declaração de objetivo explica o quê, por que, quem, onde e quando. Se a sua declaração de objetivo for vaga, será difícil de conseguir alcançar a meta porque será difícil definir o sucesso.

2. MEASURABLE (MENSURÁVEL)

Quantifique seu objetivo para saber quando você vai conquistá-lo.

Você deve ser capaz de acompanhar o progresso e medir o resultado do seu objetivo. Uma boa definição de objetivos responde à pergunta: quanto ou quantos. Como vou saber quando atingi meu objetivo? É preciso tangibilizar isso. Para quem acha que algumas coisas são impossíveis de serem tangibilizadas, conheça o indicador-chave de desempenho baseado no “aperto de mão”.

3. ACHIEVABLE (ATINGÍVEL)

Defina caminhos reais de serem alcançados para seus objetivos

O seu objetivo é atingível? Você deve pesar o esforço, o tempo e outros custos que sua meta terá em relação aos lucros e às outras obrigações e prioridades que você tem na vida.

Se você não tem tempo, dinheiro ou talento para atingir um determinado objetivo, certamente fracassará nele. Isso não significa que você não pode pegar algo que parece impossível e fazer isso acontecer planejando de forma inteligente e indo em frente!

Um dica importante nessa etapa é não criar metas da cabeça, que depois serão impossíveis de serem atingidas. Normalmente, gestores tendem a inflar metas impossíveis de serem alcançadas e por isso, inevitavelmente são fadadas ao fracasso. Para ser o melhor no segmento, antes é preciso melhorar a performance interna considerando algumas variáveis internas. Tenho “perna”? Antes de chegar ao topo, é preciso subir os degraus e muitas empresas muitas vezes esquecem deles. Não existe um caminho direto simplesmente porque a todo momento aparecem os problemas de ordem externa, que são impossíveis de controlar, por isso, vale o bom senso.

4. REALISTIC (REALISTA)

Devem ser restritas à realidade do negócio.

Certifique-se de que as ações que você precisa realizar para atingir sua meta sejam coisas que estão sob seu controle. Sua meta é alcançável? Você definiu a meta a partir de pesquisa ou de acordo com sua atual condição de crescimento? Seu objetivo é relevante para você/seu negócio?  Aqui não vale querer ser o melhor atleta do mundo de um dia para o outro se nunca nem pisou numa pista de corrida. Deve-se ter constância. A dica é começar humilde, sempre, tentando metas ousadas, mas que ao mesmo tempo possam ser reais.

5. TIME-BOUND (TER UM TEMPO LIMITE)

Especifique seu prazo com a data limite para atingir seus objetivo

Os objetivos devem ter um prazo. Quando alcançará seu objetivo? Sem limites de tempo, é fácil colocar os objetivos fora e deixá-los falhar. Assim como um prazo, é uma boa ideia definir alguns períodos intermediários de curto prazo para ajudá-lo a avaliar o progresso e assim, permitir uma ação de mudança caso exista alguma ameaça que possa prejudicar o cumprimento da meta. E nada de deixá-la aberta.

Passando as metas pelo checklist SMART, tomamos decisões mais assertivas e seguras para a vida e os negócios. E você, conhece outra metodologia que auxilia na definição e validação das metas?

Compartilhe este post:

INTELIGÊNCIA E PERFORMANCE

Você pode gostar de: